Please reload

Posts Recentes

Pelo Inss - LOAS :Como conseguir esse beneficio?

October 17, 2017

1/3
Please reload

Posts Em Destaque

Ele é o Juninho

March 11, 2017

 

 

Meu nome é Marina, tenho 3 filhos: Bruno, tem 29 anos , Fabricio tem 26 anos e o  Juninho tem 15 anos.

 Tive o Ju já com 40 anos e a gestação seguiu tudo normal,  fiz o translúcido nucal e tudo estava perfeito, dentro de mim eu sentia que teria um filho especial. Quando o Ju nasceu, chorou, foi tudo normal, mas eu o achava diferente, achava o muito bonzinho, bom minhas dúvidas surgiram pedi para o pediatra ainda no hospital e ele me dizia ter dúvida se ele tinha ou não S.D, pois era muito parecido com meu marido, o apgar dele estava dentro da normalidade e todos os exames, ele tinha a prega única, mas não significava nada, já que muitas pessoas “normais” tem.....

Fui ao pediatra mais antigo de Piracicaba, sempre questionando se meu filho tinha S.D. , qdo ele tinha um mês e meio o pediatra nos encaminhou ao neurologista para tirar minha dúvida e ele também não soube me responder, pois respondeu a todos os estímulos, somente quando ele tinha dois meses é que soube através do cariótipo que ele tinha S.D.

Senti-me privilegiada por saber a notícia em casa, pois já tinha passado a minha dieta e a fase das visitas, qdo o médico me ligou e disse que a síndrome foi confirmada, ali eu chorei, passei mal  e olhei para meu filho junto de minha família , lembrei do meu irmão que o perdi no acidente , foi como se Nossa Senhora tivesse me carregado, olhei para ele e disse: “Não foi um carro ou um computador que quebrou, ele é uma vida que precisa de mim e eu juro , serei os olhos dele, ele vai vencer, pois é meu filho.....”

Dai em diante, fui a luta, resolvi que não iria ficar chorando e sim vendendo lenços, li muito, entrei no grupo de pais de filhos com down no yahoo, ali encontrei uma boa turma eu tirava minhas dúvidas e me auxiliavam, aprendi muito com a Muriel , com Fabio Adiron, Gil Pena, Lisabeth  Arruda dentre outros....

Sempre fiz questão de entrar com o Ju nas terapias ele frequentou dois anos a Associação de Síndrome de down de Piracicaba, também fazia natação e fisioterapia particular, estimulei o muito com música clássica, enriqueci o ambiente, fiz muito exercícios sensório motor, voltei a estudar, já trabalhava na educação infantil como Professora, como era formada em Jornalismo, fui fazer pedagogia e fiz duas ´pós: uma em educação especial e outra em psicopedagogia, fui seis anos  diretora de uma escola especial o que me deu oportunidade de fazer muitos cursos e ter uma equipe técnica na escola.

Bom....escreveria um livro, hoje o Ju está no 8º ano o sistema é o objetivo, esta nesta escola desde os 4 anos, nunca teve um professor auxiliar e nunca frequentou sala de recurso, fez um tempo Kumon, natação tem atendimento psicopedagógico particular. Ele está alfabetizado, ainda escreve com letra bastão, não quis ensiná-lo a cursiva, embora tenha mostrado sempre a ele, também estimulei o muito na fase pré-escolar com a série do Coelho sabido, ele adora o computador e sabe melhor que eu,  ele sempre teve um bom cognitivo, seu único problema foi a dentição pois 2 dentes nasceram no céu da boca e ele precisou fazer cirurgia, fez ao mesmo tempo a adenoide, amidalas , extraiu os dentes e fez enxerto de osso, hj usa aparelho nos dentes, não se adaptou aos dentes no aparelho e fará implante qdo tiver 18 anos.

Sempre digo ao Juninho que ele é capaz, nunca o tratei diferente, ele é independente, mas tímido, agora entrou no Rotaract ,  já desfilou a convite do André Bandeira, já saiu no calendário com os jogadores do Santos, enfim, valeu a pena minha dedicação a ele, aprendi a viver : “ Só por hoje”, não ficar preocupada com o futuro , sofri muito por coisas que nunca aconteceram, cada criança é única , não adianta comparar e nem o tratar como coitadinho, “downzinho”, anjinho, nada disso , ele é o Juninho . Ah comprei também para ele um cachorro que o estimulou muito.

Tenho uma página no face para auxiliar pais e professores na fase de alfabetização e estou a disposição se alguém quiser conversar comigo.

Agradeço a Tássia pelo convite.

 

Marina Capucim

Compartilhe no Facebook
Curta esse post
Please reload