Please reload

Posts Recentes

Pelo Inss - LOAS :Como conseguir esse beneficio?

October 17, 2017

1/3
Please reload

Posts Em Destaque

A IMPORTÂNCIA DA FISIOTERAPIA NA MIELOMENINGOCELE

Neste mês falaremos sobre a mielomeningocele que é causada por uma falha no fechamento do tubo neural, acomete medula e meninges e, ocorre durante a quarta semana de gestação.

 

 

 

Crianças com esse diagnóstico podem apresentar incapacidades crônicas graves, como paralisia dos membros inferiores (MMII), hidrocefalia, deformidades dos membros e da coluna vertebral, disfunção vesical, intestinal e sexual, dificuldade de aprendizagem e risco de desajuste psicossocial.

 

 

Dependendo do segmento da coluna vertebral afetada, a criança pode apresentar maior comprometimento na locomoção (cadeirante ou deambulador).

 

 

 

O tratamento na mielomeningocele deve ser multidisciplinar  (Fisioterapia, Fonoaudiologia, Terapia Ocupacional, Psicologia, bem como o acompanhamento médico) e tem como objetivo a independência motora e funcional da criança.

Tendo papel fundamental na reabilitação, a Fisioterapia  pode ser iniciada já nos primeiros meses de vida, necessitando de uma avaliação criteriosa, com programa terapêutico individualizado e especializado, auxiliando na prevenção de contraturas e deformidades.

Durante as sessões de Fisioterapia, são estimulados o desenvolvimento motor da criança,  como o controle cervical, o rolar, o sentar, a postura de quatro apoios e o engatinhar. Após a liberação do ortopedista, é iniciado os estímulos na postura em pé.

Algumas crianças necessitam de órteses, talas extensoras, andadores ou equipamentos específicos para auxiliar na postura em pé e na deambulação.

 

 

 

Crianças que não recebem tratamento fisioterapêutico podem apresentar contraturas e deformidades ortopédicas com maior facilidade e frequência, sendo necessário, em alguns casos, intervenções cirúrgicas para correção.

Além da Fisioterapia Motora, a criança com mielomeningocele também necessita dos cuidados da Fisioterapia Urológica que, tem por objetivo orientar sobre a realização da compressão manual externa, com intuito de favorecer a drenagem vesical, diminuindo o risco de infecções, bem como o treinamento da evacuação.

Diante do exposto, também deve ser ressaltada a importância da correta orientação e colaboração dos cuidadores, contribuído assim para maior evolução da criança.

 

REFERÊNCIAS

Feeley BT, Ip TC, Otsuka NY. Skeletal maturity in myelomeningocele. J Pediatr Orthop. 23(6):718-21. 2003.

Aguiar MJB, Campos AS, Aguiar RALP, Lana AMA, Magalhães RL, Babeto LT. Defeitos de fechamento do tubo neural e fatores associados em recém-nascidos vivos e natimortos. J Pediatr. 79(2):129-34. 2003.

Pádua L, Rendeli C, Rabini A, Girardi E, Tonali P, Salvaggio E. Health-related quality of life and disability in young patients with spina bifida. Arch Phys Med Rehabil. 83(10):1384-8. 2002.

Santos, C. M. T.; et al. Reabilitação na Mielomeningocele. RBM Revista Brasileira de Medicina. 2007.

 

 

 

Compartilhe no Facebook
Curta esse post
Please reload